Japonesa ou chinesa? Você sabe diferenciar?

Famosas em todo o mundo, as comidas orientais atravessaram as fronteiras e oceanos, e são as favoritas de muitas pessoas por aqui, mas o que acontece com muita frequência, é uma confusão em relação à sua diferença entre as comidas originárias do Japão e da China.

Embora muitas pessoas acreditem que os dois países sejam quase idênticos, a realidade é outra em vários aspectos, e não podia ser diferente na culinária também.

Quando falamos de culinária oriental, as diferenças estão não somente no sabor, mas também em sua preparação e na questão nutricional.

Na matéria de hoje, irei explicar as principais características e diferenças gastronômicas entre estes dois países.

Culinária Japonesa

A comida japonesa é conhecida por ser bastante rica em nutrientes. Os principais itens utilizados são arroz, os peixes crus, frutos do mar, os vegetais, cogumelos, e tudo com pouca gordura. Os principais molhos são os de soja (shoyu), óleo de gergelim (mirin), pasta de soja (missô), saquê, vinagre de arroz e raiz forte (wasabi).

Neste tipo de culinária, os alimentos são servidos em porções e tamanhos pequenos, e são consumidos com os  “pauzinhos” hashi. Além disso, utilizam muito açúcar e sódio.

Os pratos mais conhecidos são: Sushi, Sashimi, Temaki, Tepurá e Herumaki.

Culinária Chinesa

Na China os pratos são feitos com carnes, macarrão, empanados e fritos. A culinária chinesa usa muitos condimentos e estes são bem mais fortes que os japoneses.

Como o país é imenso e populoso, existem centenas de pratos diferentes, dependendo de cada região.

Na parte Norte utilizam bastante trigo, na Central mais pimentas e no Leste os sabores são bem suaves.

Este país também é conhecido por consumir carnes exóticas e de animais que não estamos acostumados por aqui, como a carne de cachorro, por exemplo.

Os principais pratos são: Chow Mein, Zongzi, Yakisoba, Tian bu la, Mapo Tofu e Dan Dan Mian.

Além destes pratos, insetos e ovos podres são bastante comuns.

Qual destas duas culinárias você aprecia mais?

Gostou? Comenta aqui o que Achou!!

Uma resposta

  1. Vale a pena mencionar que há muito se pensa que o GABA é incapaz de atravessar a barreira hematoencefálica (BBB) (Kuriyama e Sze, 1971; Roberts, 1974), o que levanta questões sobre os mecanismos de ação por trás de seus benefícios à saúde. No entanto, existem vários relatos a respeito da permeabilidade BBB da GABA. Enquanto alguns pesquisadores argumentam que apenas pequenas quantidades de GABA atravessam o BBB (Knudsen et al., 1988; Bassett et al., 1990), com a descoberta de sistemas GABA-transportadores no cérebro (ou seja, passagem de solutos por trans-citose, transporte mediado por portadores, ou simples difusão de substâncias hidrofóbicas), outros acreditam que as quantidades substanciais de GABA poderiam atravessar o BBB (Takanaga et al., 2001; Al-Sarraf, 2002; Shyamaladevi et al., 2002). Além disso, como GABA também está presente no sistema nervoso entérico, tem sido considerado que GABA pode atuar no sistema nervoso periférico através do eixo do cérebro intestinal (Cryan e Dinan, 2012). Embora haja algumas evidências que mostram que o GABA biossintético poderia alcançar o cérebro humano como evidenciado por várias respostas do EEG (Abdou et al., 2006; Yoto et al., 2012), até o momento, não há dados mostrando a permeabilidade do GABA ao BBB em humanos. Embora tenha sido demonstrado que os níveis de GABA no sangue foram elevados 30 minutos após a ingestão oral de GABA (Yamatsu et al., 2016), não se sabe se a ingestão oral de GABA aumentaria ou não as concentrações de GABA no cérebro. https://ptmedbook.com/ As drogas que imitam a ação do GABA são numerosas, funcionam de várias maneiras e podem ter efeitos que vão desde tratar a epilepsia até causá-la. gaba e bom para que

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter